05 de junho de 2017

              

Confederação Nacional de Saúde participa da 106ª Convenção da OIT em Genebra

Serão duas semanas de discussões  à respeito dos debates que mais afetam o cotidiano no mundo do trabalho. 

A Confederação Nacional de Saúde marca novamente presença em mais uma edição da Organização Internacional do Trabalho, que foi aberta oficialmente hoje, em Genebra na Suíça. A Conferência Internacional do Trabalho é o órgão supremo de decisões da OIT. Todos os anos no mês de junho, o evento congrega as delegações tripartites de 187 estados membros. Os encaminhamentos acontecem em sessões plenárias e em comissões técnicas.

Representando a CNS, na solenidade de abertura na manhã desta segunda-feira, 05 de junho, estiveram presentes os advogados do departamento jurídico: Dr. Alexandre Zanetti e Dr. Rodrigo de Linhares. Na próxima semana o presidente da CNS, Tércio Kasten, também estará presente, acompanhado dos diretores Breno Monteiro, Magno Borba e do assessor da presidência,  Braz Vieira. A comitiva da CNS, acompanhará também a agenda do ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, em Genebra.

O destaque da programação nesta  106ª Convenção debate a migração laboral, emprego e trabalho digno ao serviço da paz e da resiliência às catástrofes além da discussão recorrente sobre os objetivos estratégicos e princípios dos direitos fundamentais no trabalho.

"O assunto do momento é sem dúvida referente a migração laboral. Os números mostram a necessidade de discussão do tema dentro do foro competente do mundo do trabalho. A preocupação maior nos debates são por conta do aumento significativo de movimento de mão de obra pouco qualificada em sua maioria oriundos de países com economias desajustadas, e dos Estados Árabes que representam 57% dos migrantes", destaca Alexandre Zanetti.

Estes migrantes representam 5% da força de trabalho mundial, são 44% mulheres, e seus destinos se concentram na América do Norte e Europa Meridional que juntos correspondem a 50% desta movimentação. Diante desta realidade, os líderes mundiais e estados membros das Nações Unidas se comprometeram em 2016 a aprovar pela primeira vez, um pacto mundial para uma migração segura e regular a partir de 2018, tendo como premissas o trabalho decente e a governança da migração.

A convenção deste ano encerra no dia 16 de junho.