27 de outubro de 2017

Seminário Regional da AHESC-FEHOESC-FEHOESC em Florianópolis debate temas de interesse do setor

Com o objetivo de ampliar as discussões relacionadas à gestão de unidades hospitalares e a crise estabelecida no setor, iniciou nesta quinta-feira, 26 de outubro, em Florianópolis, o 3º Seminário Regional AHESC-FEHOESC-FEHOSC. O evento reuniu gestores hospitalares de todas as regiões do estado, que acompanharam as apresentações e participaram dos debates sobre assuntos técnicos e gerenciais que envolvem as unidades de saúde. O Seminário contou com a presença dos presidentes da AHESC Altamiro Bittencourt, da FEHOESC e CNS, Tércio Kasten, e da FEHOSC, Hilário Dalmann.

A programação do primeiro dia iniciou com uma abordagem feita pelo advogado e assessor de Segurança e Saúde no Trabalho da Confederação Nacional de Saúde, Clovis Veloso de Queiroz neto, sobre “Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde”. O assessor apresentou os trabalhos realizados pela CNS e exibiu dados do MT referente ao setor, e ainda apresentou as expectativas da Confederação Nacional de Saúde para 2018. Queiroz explicou que a assessoria tem como objetivo acompanhar as discussões referentes ao debate tripartite do Ministério do Trabalho, às Normas Regulamentadoras, em especial a NR 32 das diretrizes básicas de implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de Saúde, prestar o auxílio técnico na área legislativa e jurídica do setor e fomentar as discussões da saúde e segurança do trabalho no âmbito interno da Confederação, promovendo também debates externos nas federações e nos sindicatos.

Neto informou que, neste ano, foi criado pela CNS, um grupo de trabalho de Segurança e Saúde no Trabalho com a composição de um representante de cada federação filiado ao sistema CNS. A proposta do grupo é realizar quatro reuniões ordinárias por ano, com a participação de convidados. O Grupo tem por objetivo alterar normas e discutir novos procedimentos. Através dele, os segmentos de Saúde terão a oportunidade de apresentar suas demandas à entidade nacional. Com relação as expectativas para 2018, Queiroz Neto informou que a CNS firmou parceria com duas organizações internacionais, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), e que a instituição vem se empenhando em busca de apoio de novas entidades para a elaboração e produção de documentos, ações educativas e esclarecimento que visem a informação e divulgação das atividades do setor de saúde. Clovis também anunciou que a CNS, em parceria com a Fundacentro, pretende realizar no próximo ano, cursos aprofundados de capacitação sobre as normas regulamentadora do setor, em especial a NR32, de forma gratuita para os representantes do sistema de Saúde.

O assessor finalizou com a exibição das inovações que já estão disponíveis para o acesso público no site da Confederação que acomoda um aparato de normatizações, regulamentações, pesquisas, dados, notas técnicas, guias e estatísticas de diversos órgãos e instituições relevantes do segmento de Saúde no Brasil.

O segundo painel contou com uma apresentação detalhada do Grupo de Indicadores Santé (GIS). Uma nova ferramenta desenvolvida pelo Instituto Santé, por meio das entidades AHESC-FEHOESC-FEHOSC, que atua no gerenciamento de 24 indicadores, através de dados fornecidos pelas unidades hospitalares participantes. A explanação da plataforma foi realizada por representantes dos quatro hospitais que participaram da criação da ferramenta, o diretor geral do Hospital Terezinha Gaio Basso, Jeferson Gomes, o diretor Administrativo do Hospital Regional São Paulo, Fábio Lunkes, o diretor Geral do Hospital Universitário Santa Terezinha, Alciomar Marin e o diretor Geral do Hospital São José, Mauricio Souto-Maior. Cada unidade possui um representante responsável pela alimentação de dados no sistema. Através do preenchimento de uma ficha técnica com todas as especificações do indicador de sua gestão, o responsável tem acesso ao comparativo do seu índice de desempenho com o de outras unidades, sem nenhum custo operacional. O novo sistema possibilita a identificação, avaliação e a comparação da estrutura e desempenho de hospitais com mesmo perfil, pretendendo enriquecer a troca da informação e proporcionando melhores condições de gestão e, consequentemente, melhores resultados. O grupo fez um chamado aos hospitais para integrarem ao GIS.

Ainda no primeiro dia, o presidente da Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde da Bahia e Vice-presidente da CNS, Marcelo Brito, tratou sobre novas alternativas na relação comercial com Operadoras da Saúde Suplementar através do “Capitation Reverso”. Um novo modelo de funcionamento e operação de Saúde Suplementar. O modelo traz uma inversão na relação dos atores que compõem o segmento, por isso recebe o nome de “Capitation Reverso”. A ideia é que o usuário do sistema passe a lidar diretamente com o prestador, e o papel da operadora de saúde seja a venda de redes privadas de serviços, sem precisar ter o contato direto com o usuário, já que o pagamento pelos mesmos será feito diretamente aos estabelecimentos de saúde que se organizariam em redes por critérios pré-estabelecidos. Hoje, na prática, a operadora precisa lidar com o paciente, apesar de ela não ser responsável pelos cuidados do mesmo. Com o novo modelo, algumas práticas consideradas prejudiciais para o paciente serão extintas, como o tempo de espera para autorizações de procedimentos, pedidos negados, excesso de uso, entre outros.

A programação continua na manhã desta sexta-feira (27), onde acontecerá a abertura oficial do Seminário, integrando a exibição do painel de debates sobre Emenda de Bancada Impositiva do Congresso Nacional.