A PALAVRA DO PRESIDENTE

Tércio Egon Paulo Kasten

A Confederação Nacional de Saúde – CNS está sempre em busca de melhorias para o Setor Saúde. Acompanha de perto o andamento de vários projetos de lei e a evolução do setor no Congresso. Assume seu compromisso com o segmento, participando de forma ativa de todas as ações em que a saúde esteja inserida e lutando pelo aprimoramento da área.

A CNS tem se convertido em representante legítima dos anseios da sociedade brasileira em relação, por exemplo, ao financiamento da saúde e ao estabelecimento de padrões de qualidade no cuidado às pessoas. A Confederação é feita por gente que nunca desistiu das pessoas, por instituições que tem séculos de tradição no cuidado e no amparo, e é por isso que não desistimos do Brasil, e não desistimos dos brasileiros.

Defendemos um modelo de gestão integrada para contemplar a participação de representantes dos setores público e privado no estabelecimento de um planejamento indicativo, de padrões e metas, e com monitoramento pelos órgãos fiscalizadores. Somos um setor comprometido até o cerne com a saúde pública. Um setor responsável por 70% dos atendimentos feitos pelo SUS, que perde recursos em cada procedimento. Um setor que financia diretamente o SUS, tirando do bolso para garantir a universalidade, integralidade e gratuidade que os governos prometem e não cumprem.

A Confederação Nacional de Saúde está ligada a 270 mil estabelecimentos prestadores de serviços de saúde. Mobilizamos cerca de 4 milhões de profissionais altamente capacitados e respondemos por quase 10% do PIB Nacional. A CNS tem se convertido em representante legítima dos anseios da sociedade brasileira em relação, por exemplo, ao financiamento da saúde e ao estabelecimento de padrões de qualidade no cuidado às pessoas.

Os poderes legislativo, judiciário e executivo precisam encontrar um modelo de financiamento sustentável para a saúde pública brasileira. De preferência, sem aumento da carga tributária. Mas um modelo que tenha os pés na realidade, que não outorgue direitos à população sem apresentar quem vai assumir o dever de pagar a conta. Porque esta conta não é nossa.

Podemos dizer que o nosso grande objetivo é a busca constante de uma política mais justa para o segmento como um todo e de uma revisão nos modelos e valores atualmente praticados.